Feliz 2019

Final de ano é tempo de reflexão, de planejamento e de sonhos. De gratidão, organização e confraternização. Todos querem entrar o ano, como dizem: “Com o pé direito”. O calendário nos dá esta oportunidade de refletir o que os ciclos do tempo proporcionaram para nós, e traz toda esta energia de renovação para a vida. Na virada de ano alguns pulam ondinhas no mar (eu já pulei, haha), cada um com sua “simpatia”. Mas é aquela velha história, nós que fazemos o ano novo.

Este ano de 2018 foi um ano marcante, o ano que me tornei mãe. A dimensão disso ainda estou compreendendo, a cada dia, vivenciando com minha filha.  São aprendizados diários. Com ela, todos os dias, aprendo que é preciso ter mais paciência e amor. Que nem tudo que planejamos fazer no dia, será realmente possível. Que é preciso esquecer-se de si e atender as demandas dela. Renunciar a si mesmo e com isso, ao mesmo tempo, enxergar-se profundamente. Todos os dias ser aquela fortaleza que ela precisa e com isso fortalecer-se também.  Sinto que ser mãe é um mergulho no oceano, sem retorno. Reencontrar-me-ei nas profundezas deste mar. A maternidade é o melhor presente que recebi em 2018, e é presente para sempre.

O que eu desejo para 2019, primeiramente é mais leveza para seguir com a vida, com nossas lutas, nossos objetivos. Mais certeza de quem somos neste mundo. Mais amor e compreensão todos os dias. A alegria de viver cada dia, com saúde. Que cada um possa contar com aquelas velhas e boas amizades sinceras e também com as novas e que possamos a cada dia quebrar velhos paradigmas, renovando nossos ideais, abrindo-se para o que precisamos realmente transformar.  Viajar é preciso e amar também. Dar as mãos uns aos outros e a quem mais precisa. Buscar ser quem realmente somos e plantar o que há de vir. Concluo com um poema de Cora Coralina:

O cântico da Terra

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranquila ao teu esforço.
Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranquilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

Feliz 2019 para todos nós.

DSC_0887

Fotografia registrada ontem pelo maridão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s